couve-flor tronco e membros


Sobre BLOG, resposta à ata e filmagem da “Noivaction”
julho 25, 2006, 7:08 pm
Filed under: AÇÕES, ATAS, VÍDEO

Stéphany Mattanó

Olá à todos
Pra começar, gostaria de deixar resgistrado aqui a minha insegurança para utilização deste blog. Primeiramente, não sei se todo mundo vai clicar lá no vídeo para ver minha mensagem nova. Não sei se neste blog tem o recurso de avisar por e-mail de todos aqui as ”ultimas postagens” do blog.
Mas então tá lá “vídeo”, mas ainda não sei categorizar a parada, e acho ruim que tenha uma cópia do mesmo texto em várias áreas…Daí eu leio tudo denovo…Por que nós mesmos não escrevemos separado por assunto?
Como resposta à ata, creio de nossa “bagunça”, segundo o Gustavo (e que eu não concordo que seja) foi muito produtiva. As couves pintadas de spray pink escureceram no dia seguinte da aplicação. Ficou ótimo.
Como eu havia prometido, fiz alguns experimentos de vídeo com as couves. Levei elas até o Anhagava, veja só, e simulei elas saindo da floresta. Tipo animação. Resultado: Esta idéia de fazer couves se encontrando precisa de uma opinião técnica de quem trabalha com animação antes de sair filmar, para não ficar gastando fita e diária da câmera à toa. Eu vi que esta história de animação é complicada e leva uma tarde toda para fazer. Mas também acho super divertido. Vou explicar melhor.
Eu preciso pegar as imagens como se fossem fotos das couves, ok? Vou movendo elas até elas se encontrarem. Vou tirando um frame de cada posição. Mas o pulo do gato é não mexer no tripé e movimentar bem as couves, sacaram?
E não deu tempo de fazer uma cena inteira com as couves ainda, galera, ainda mais porque nos dias seguintes, ela já havia murchado mais um pouco e ficado um pouco mais escura tb.
Mas a produção deste filminho precisa ser melhor pensada. Senão vai ficar tudo “trash”. Penso tamb’m em endurecer as folhas laterais com spray de cabelo. Ah, ofereci a minha casa como ateliê na fabricação de couves na última reunião.
Ainda, com relação à câmera, na reunião vimos o modelo de câmera que a Cris filmou o documentário dela. É 3CCD, compacta, bacana. R$ 1475.00. Acho um bom preço, e temos que pedir o quanto antes. Temos que sacar esta grana e depositar na conta da BH Photo e Vídeo, que fica em NY, daí eles mandam pra gente.
Com relação à edição. Acho bom já decidirmos Mi, onde faremos esta edição, pois já gostaria de ir testando coisas em edição. Eu opto pelo Pablo, que além de eu conhecer a ilha, tem uma maior flexibilidade de horas para edição e tá afim de “abraçar” o projeto. Ah, ele falou se fecharmos com ele, ele empresta uma câmera compacta para fazermos os registros e que fique com a gente até a outra chegar.
O Henrique vai ficar um mês no Rio de Janeiro trabalhando num documentário que a Letícia Sabatella e o seu marido fizeram sobre uma tribo de índios lá do maranhão. Mas também pode te dar dicas daí, pois ele vai estar próximo à você, Mi.
Você comentou que aí no Rio tem alguém que quer editar também? Como é o esquema? Que tipo de ilha a pessoa tem?
Se definirmos onde vai “morar” nosso projeto, posso pedir pro Pablo filmar a performance de sábado, que ele tem este dia disponível. Ou ainda, incluir a diária da câmera no pacote de locação, edição, etc. A Cris sugeriu que a Luan (amiga dela) filmasse, pois já trabalha com a Cris e ela aprova seu trabalho.
Então minha gente, precisamos definir várias coisas. Dentre elas, o trajeto que as noivas irão realizar. Na reunião, sugeri, que passássemos por lugares típicos de fotos de noivas, tipo Jardim Botânico, Parque Barigüi, estátua da Havan. A Cris ostrou sua preferência por ruas, tipo XV de Novembro, ou outras ruas da cidade. Então precisamos de sugestões e fechar este roteiro.
Álém disto, precisamos ver se sábado não irá chover (pois são imagens externas, e não podemos sair na chuva de noivas, pois Nelson Rodrigues rolará no túmulo) e o horário que a galera pode. Eu prefiro de manhã, pois se alguma coisa der errado, podemos avançar a tarde para fechamento das imagens. O que vocês acham? Eu sugiro aqui em casa como ponto de encontro para saírmos. Ah, o Neto disponibilizou seu carro para a ação. Alguém mais?
Esta ação resgistrada poderá servir de vinheta, de chamariz para o nosso trabalho se ficar bem feitinha. Além das fotos da Ale se ficarem boas (não duvido disso), poderão ilustrar nossos cartões postais, site e outros materiais gráficos pra frente.
No mais é isso:
Resumo dos assuntos: bog, animação couve, dim-dim da câmera, ilha de edição, roteiro dos lugares para a Noivaction, e…
MEUS PARABÉNS AO NOSSO BLOG!!
P.S. Eu tenho um assunto para tratar sério com todos os couves, o Gustavo já comentou, mas vou esperar nosso próximo encontro para falar.
Beijos

Anúncios

2 Comentários so far
Deixe um comentário

Pelo que entendi a idía da performance/vídeo tem inspiração em Nelson Rodrigues… é isso mesmo? Como foi esse processo?

Comentário por isabelle

Quero uma velhinha bem crocante
Carlos Eduardo da Silva

Qualquer cidadão mais atento ao noticiário pode se recordar que o cineasta Orson Wells se imortalizou ao fazer uma transmissão radiofônica na década de 30, intitulada A Guerra dos Mundos, que ficou famosa mundialmente por provocar pânico nos ouvintes, que imaginavam estar enfrentando uma invasão de extraterrestres, baseados pura e simplesmente naquilo que ouviam. Este episódio foi parar nas telas de cinema.
Um outro antigo filme de ficção científica, que na versão brasileira saiu com o nome de Soilentes, estrelado por Chalton Heston, nos contava a história de uma sociedade futurista que incentivava a eutanásia para pessoas idosas. Elas eram enganadas por grandes telões que as faziam acreditar que, ao morrerem, deixariam aquele mundo de sacrifícios e sofrimentos em que as pessoas disputavam água e alimento racionados e iriam para um lugar maravilhoso, uma verdadeira Passargada e, lá, seriam “amigas do Rei”. O alimento se chamava Soilentes e mais parecia um pedaço de cola de madeira produzido pela indústria alimentícia que tinha o patrocínio do governo. Mas, como é difícil guardar segredos, sejam eles de divãs, sejam de grupos, um sujeito (Chalton Heston) descobriu que o lugar, para onde mandavam os velhinhos que optavam por morrer, era uma fábrica de alimentos que os transformavam em comida para o resto de uma população faminta e desesperada.
Estes dois pequenos exemplos da filmografia americana nos dão a visão do alcance a que se pode chegar, quando os meios de comunicações ficam nas mãos de um super-poder sem um mínimo de escrúpulo no seu manuseio e no manuseio das massas. Com os recursos tecnológicos cinematógrafos atuais qualquer cineasta com o talento de Steven Spielberg, o criador do Parque dos Dinossauros, poderia reproduzi, geleiras se dissolvendo, e todo um aparato de efeitos atmosféricos que, ajudados pelos noticiários, colocariam a população mundial aterrorizada e preocupadíssima com nosso ecossistema.
É a criação de um mundo virtual. É o princípio da criação da MATRIX e do BIG BROTHER (leiam o livro “1984” – que misteriosamente está sumindo das livrarias -, do jornalista escritor George Orwell, que trabalhava com informações privilegiadas do Partido Comunista Espanhol e, assim, “previu” a formação da União Européia com uma antecipação de décadas. E cadê o filme “1984”, baseado neste livro, que passado a mais de 30 anos, não durou mais que 1 mês no circuito comercial – para deleite dos mais entusiasmados com o vanguardismo filosófico do Partido – por ser extremamente deprimente?) Este episódio, por si só, já é prova suficiente da aliança do Partido Comunista com as forças progressistas remanescentes e constituintes da ditadura militar, na construção do novo modelo de pensar a sociedade brasileira. – mas, não do novo modelo de pensar da sociedade brasileira, pois está sendo construído a revelia desta.
Em resumo, a última palavra em filosofia (heideggeliana) é: a verdade ou a realidade atinge-se pelo que é mais universal, ou seja, a verdade e a realidade é aquilo que o maior número de pessoas pensa que é. O ministro da Propaganda do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, Josef Goebbels, resumiu esta filosofia na máxima que dizia “uma mentira dita mil vezes torna-se verdade.”
Os Comunistas tentam esconder que são norteados pela mesma filosofia que norteou os nazistas.
Por isso a necessidade dos meios de comunicações de massa: os telões e as telinhas (TVs).
A maioria, senão todos os meios de comunicações, hoje, encontram-se sob o domínio dos Partidos Comunistas e da Internacional Comunista.
Os comunistas dos países da União Européia escolheram um modelo de sociedade que difere do modelo chinês, qual seja o de um governo sendo exercido por um sisudo Comitê Central do Partido Comunista, tendo as cores vermelha e amarela e os símbolos da foice e o martelo como emblemas do regime. Atualmente estão em transformação, já abriam mão das cores vermelha e amarela e, recentemente, optaram por uma aparente economia de mercado. Os europeus optaram por um modelo moderno e alternativo que é o de um Comitê Central – que os filósofos (Hegel e Heidegger) preferem chamar de Conselho de Anciãos – como centro principal de decisões do país, conservando os poderes e os partidos de uma democracia convencional com uma “economia de mercado”, respeitando inclusive o trono naqueles países de tradição monárquica como na Espanha e Inglaterra, e preservando as religiões como um dos domínios das massas. Ou seja, uma democracia pluripartidária de fachada. Isto foi conseguido graças a uma aliança com o liberalismo e a social democracia, muito embora ao longo do tempo os comunistas foram comendo ambos pelas beiradas.
Este também foi o modelo escolhido pelo Brasil.
Para a construção de um socialismo-democrático com esta fachada precisa-se de muitos figurantes, conscientes dela ou não, para manter as aparências das divergências e oposições, afinal de contas “toda unanimidade é burra”. E, precisam principalmente da ajuda dos meios de comunicações que desempenham um papel fundamental neste jogo de construção da realidade do novo display comunista.
Trata-se de uma ótima opção; sem revoluções sangrentas e sem grandes manifestações de ruas e etc., como as que vemos na Venezuela de Hugo Chaves e na Bolívia de Evo Morales, que prestam enorme favor aos modelos escolhidos pelo Brasil, Argentina e Chile. A medida que vemos o quê se passa lá não enxergamos o quê se passa aqui. Eles têm esta função a de atrai para si às atenções. Assim enquanto os meios de comunicações nos transmitem que foi uma estatização de uma empresa da Petrobrás pelo governo Evo Morales, o que realmente houve, foi um repasse de uma refinaria de gás brasileira construída com o dinheiro de nosso povo como ajuda para Evo construir o socialismo deles, que depois de cumprirem a sua função de atraírem para si as atenções do continente, poderão ser modificados, usando os meios de comunicações da mesma forma que foi usada neste caso, com o simulacro e o ilusionismo das massas. O modelo que o Brasil escolheu é bom, mas tem “seu porém”, sem o conhecimento da maioria da população, incluindo aí muitos militantes do próprio Partido, que ignoram a opção por este modelo, e permanecem como massa de manobra, para objetivos políticos que são baixados pelo centralismo democrático e que somente as cúpulas desses partidos sabem quais suas reais intenções. Afastam assim cada vez mais o centro do poder das bases, compostas por uma massa mantida propositalmente na ignorância e no analfabetismo e que não tem consciência nem mesmo do regime em que está vivendo.
O exemplo mais importante que se pode destacar é a questão da supressão dos direitos individuais do cidadão em função do benefício da sociedade (do universal), leia-se governo. Ao mesmo tempo em que exalta a cidadania e a família o Estado usa a mulher e os filhos – o que justifica todo um aparato de Estado em protegê-las – para vigiar e destruir seu companheiro e sua própria família em função dele (o Estado), haja vista, Rosane Collor de Mello e Tereza Collor de Mello. Estas duas coxudas detonaram com uma chave de pernas e no maior salto alto o liberalismo da República das Alagoas, sendo que esta última ainda foi vendida via programa Amaury Jr. para vigiar algum outro empresário depois da morte de Pedro Collor de Mello; MAUra Baptista de Azevedo, minha ex-mulher, que deixou nosso filho, na época com 6 anos de idade, exposto a um tormento psicológico promovido por nossos vizinhos para me levar a um tratamento psicológico; Nilcéia Pitta; e muitas atrizes da TV Globo que se casam com empresários para vigia-los até mesmo embaixo do edredom e, se necessário for, destruírem suas próprias famílias em função de política do Partido/Estado. E quem decide que fulano de tal vai perder os seus direitos e/ou sua vida e em função de qual prática cometida por ele? Esta questão sempre foi omitida e escamoteada dentro do partido a medida que a garantia dos direitos do cidadão era uma bandeira de luta contra a ditadura e hoje o partido não fala claramente que o cidadão comum pode perder seus direitos e ser interditado com a ajuda de sua mulher e seus filhos.
Ora, dá para acreditar?
Depois que os espanhóis do caso Bateau Mouche, foram expulsos do país sob tortura psicológica promovida pelo jornalista e escritor Zuenir Ventura, colunista de O Globo e ex-articulador do Partido Comunista Brasileiro para a imprensa, em franca tabelinha com o psicanalista de um dos espanhóis e mancomunados com o Ministério Público; tiveram seus bens arrestados por ordem do Partido, e a imprensa, via telinha, veiculou a notícia como se eles tivessem fugido do país;
Depois de ver as gravações que a minha psicotorturapeuta Márcia Erlich cedeu para o mesmo jornalista escritor Zuenir Ventura transformá-las em livro, sob o título Inveja, mal secreto, que foi lançado no Jornal da Tarde pela TV Globo, no horário em que eu via o jornal e a minha casa era espionada por eles;
Depois que eu sofri varias torturas psicológica sob forma de tormento promovidas pelo PCB e os partidos de esquerda, para me induzirem a um tratamento psicológico a fórceps, por ser uma testemunha deste caso e por denunciá-los ao MP Federal e Estadual/RJ e pedir uma investigação a Polícia Federal sob protocolo MP / DPF / SP / NAD / SRA / 06 / SET / 2006 10:47 000004860, acerca da participação do Ex-Governador Geraldo Alkmin (amigo pessoal e político de meu ex-sogro Dr. Neymar Neves), seu Secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Saulo de Castro Abreu Filho, ambos do PSDB, e do coronel da PM Sebastião Souza Pinto, chefe do Centro de Policiamento da Polícia Militar do Interior do Vale do Paraíba, ligado ao PPS, por serem os responsáveis pela colaboração da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que em conjunto com minha ex-mulher, MAUra Baptista de Azevedo e seus familiares (todos trabalhando na área de saúde pública), juntamente com os seus vizinhos da cidade de Redenção da Serra/SP esforçaram-se por me darem uma curra psicológica para me levarem ao Psiquiatra da Cidade chamado Maurício Lucchese, aparentado de Bethe Lucchese, repórter da TV Globo;
Depois de ficar com um zumbido no ouvido; manchas roxas espalhadas pelo corpo; duas úlceras; separado de meus filhos, quando eles ainda eram menores; de ter Síndrome do Pânico, por sofre muito com tudo isto; de ser torturado psicologicamente por aquilo que algum dia pensei que fosse minha família; de baterem em meu carro propositadamente; de botarem fogo em outro carro meu; de colocarem mecânicos para fazerem dois outros carros meus baterem motor; de levar um soco na boca dado pelo meu ex-cunhado Mário Celso Azevedo, que ganhou do PSDB, uma vaga de cirurgião dentista em São Luiz do Paraetinga/SP, por eu gritar que eles estavam me torturando; de descobrir que o partido tinha atravessado MAUra em meu caminho para me fazer sofrer; de ter que me mudar por mais de 10 vezes em função dessa perseguição; de levar mais de R$ 4.000,00 em multas em um só carro; de andar com GPS no meu carro muito antes do GPS ser comercializado como dispositivo de segurança (enganosa); de o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, na gestão do Excelentíssimo Presidente Celso Luiz Limongi, forjar um kafkaniano processo administrativo nº 04/06 promovido pela Excelentíssima Drª.Juliana Salzani, Juíza de Direito da 2ª Vara Judicial de Guaratinguetá/SP baseando-se no falso testemunho dos funcionários do cartório em que eu era lotado; de estar sofrendo com as torturas psicológico-sexual e toda sorte de constrangimento feita por qualquer mulher de programa da cidade onde moro; de perder várias vezes a minha libido em função desses constrangimentos; de estar sendo enganado e surrupiado em meus bens para ser levado a ficar quebrado para não poder divulgar minha história; de não poder contar com ajuda de advogados ou qualquer instituição que defenda os direitos humanos;
Depois de saber que os meios de comunicações, as telinhas, têm o poder de transmitir um programa ou mesclar uma notícia no noticiário, que poderá aparecer somente no seu estado, na sua região, no seu bairro ou somente em seu edifício;
Depois que Chico Buarque de Holanda, lançou livro Estorvo, em 2004 (por coincidência, data em que eu estava sofrendo com a curra psicológica, em Redenção da Serra/SP), divulgando, a boca miúda, informações privilegiada para a militância do Partido Comunista, a forma como o partido persegue quem sabe de seus segredos, transformando-se em garoto propaganda da repressão do Estado/Partido e de ele “flertar” com uma morena nas praias do arpoador somente para sacaniar o maridão dela, que a imprensa deu nome e endereço, e é vigiado pela mulher que faz michê político para o Estado/PCB;
Depois de continuar com o meu kitinet, na Rua Chiquinha de Matos, 192/apt.108 – Ed. Taufic Murad, Centro de Taubaté/SP, vigiado pelo andar de cima e pelo vizinho do lado, que tem a vigília de minha casa com uma câmara que possibilitam me verem através da parede (isto mesmo, através da parede, eles já possuem esta tecnologia) durante 24 horas por dia e que já me fizeram entender que têm linha direta com a TV Globo, e tendo boa parte de colegas de trabalho a fazer graçinhas com a minha desgraça e de ter um dia no trabalho pior que o anterior em função daquilo que estou fazendo em minha casa (por exemplo, se pego no computador para descrever a vida miserável que estou levando);
Depois da maior fraude eleitoral de todos os tempos, promovida pela Rede Globo de Televisão, em que a candidata do PPS, Juíza Denise Frossart, antiga militante do PCB debate com o seu “opositor”, Sérgio Cabral Filho, que namora idosos a longo tempo e é antiga infiltração do PCB dentro do PMDB, para disputar a eleição para governo do Estado do Rio de Janeiro, que bem poderia ser tirada no par-ou-ímpar, no cara-ou-coroa ou na porrinha;
Algora vem a Internacional Comunista, na pele do ativista ambiental Al Gore, Prêmio Nobel da Paz 2007, assessorado por dados que você não sabe quem os produziu (ou sabe-se muito bem) e uma parafernália de efeitos especiais e um telão do tamanho de um bonde, com aquela orelha colada no pescoço e com uma mentira maior que o Planeta dizendo para todos que o mundo está derretendo.
Ora! Vamos encurtar essa estória e aos finalmentes!
Quero a minha velhinha bem crocante!

Obs: Leiam o texto Legítima Defesa.doc. do CD e divulguem este texto pela internete e mandem pelo correio de forma anônima.

Comentário por Carlos Eduardo da Silva




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: