couve-flor tronco e membros


Para Michelle e Stephany, sobre o video
julho 24, 2006, 6:43 am
Filed under: GERAL, VÍDEO

Elisabete Finger (11.07.06)

Oi Meninas, Olha, tô adorando essa historia de video e acho que é onde eu gostaria de entrar a fundo com vcs… Tem uns problemas praticos de como enviar as imagens, mas tenho umas ideias de trabalhar com a minha camera digital nos videos curtinhos (que na verdade sao de 1min 27segundos), acho que enviar essas imagens vai ser mais facil que enviar mini-DVs. Penso também numa homogeneidade das imagens, se isso é necessario ou nao. Porque as imagens feitas por mim vao ter outras caracteristicas que as imagens feitas pelo Pablo ou Henrique. Nao sei o quanto vcs ja discutiram sobre isso, mas também acho pena nao haver imagens captadas por vcs mesmas, pegar a câmera, enquadrar, tem um engajamento pessoal, que nao precisa ser improvisado (no mal sentido), e que faz do video mais “a gente”. E nao é romantismo, é uma percepçao real. Fizemos um filme aqui no Essais, e na ediçao dà pra ver claramente quem fez as imagens, quando fomos nos (os “alunos”), elas tem muito mais vida como experiência, se comparadas a alguem que veio do exterior pra filmar. Mas isso depende de muitas coisas, do que queremos com o video, se queremos que o carater experimental pesquisa apareça dessa forma nas imagens ou nao, e isso nao significa que o video tem que ser tosco (to de acordo com esse medo da Michelle), mas ele pode ser “vivant”, como diriam os franceses…

Bom, adorei a ideia do mêtro, onibus, etc. E acho que entendo o que a Mi quer dizer com relacionar as placas a um imaginario, pra mim tem algo a ver com propor um outro territorio possivel (como as varias janelinhas de informaçoes que se abrem na nossa cabeça quando a gente lê uma palavra, p. ex Chile, posso pensar no pais, na rua, na minha amiga Noela, num doce que tem um nome parecido…). Dai fiquei pirando que podiamos colher imagens e fotografias de todos os metros pelos quais passamos (Rio, Paris, NY, SP, Lisboa, etc) e construir um mapa de metrô completamente imaginario, que tem um pouco de cada cidade e um pouco da nossa imaginaçao. Construir um percurso entre “Estacio” e “Chatelet”, inventar um “territorio em trânsito”, que pra mim tem tudo a ver com “para onde estamos indo”. Pra isso, mais uma vez, acho importante a gente filmar, ou estar muito proximo de quem filma…

Fin, outra ideia que eu tive foi me questionar quais as açoes possiveis de serem feitas em 1min e 27segundos, pensando na questao territorio. Entao comecei a atravessar pontes num trajeto que dura 1min 27. é divertido pq tenho que gerenciar o tempo, a velocidade dos meus passos, etc. E ainda tem todo o significado de uma ponte (algo que liga um lugar a outro, um nao lugar, uma “heterotopia”, como diria Foucault!), e depois me lembra aquela historia de que um homem nunca atravessa o mesmo rio duas vezes, pq da segunda vez nao é mais o mesmo rio, nem o mesmo homem, mas isso ja é meio blà, blà, blà. Bom, ja tenho dois filmes de ponte, vou tentar mandar pra vcs dezerem o que acham.

Pequeno problema: a camera mexe bastante, pq ta no ritmo dos meus passos, mas tbem acho que q faz parte…

Bom, jogo essas idéias e impressoes no “ar”, me digam o que vcs pensam.

Nao posso me conectar no msn, pq a net aqui ta cada vez mais dificil, consigo ver meus e-mails mais ou menos todos os dias, mas nao durante muito tempo. To em Angers, e indo pra Paris no começo da semana pra pegar o aviao pra Lisboa, entao vai ficar cada vez mais foda pra ficar bastante tempo conectada, mas vou encontrando os computadores pelo caminho… Sobre as referências teoricas, tenho feito um intensivo filmes com os poucos amigos que ainda estao em Angers, e estou apaixonada por Godard. Ele é um gênio! Se puderem vejam “Une femme est une femme”, a montagem é incrivel, o som é incrivel, o filme é uma coreografia… vale a pena! Beijao com amor Beti

Anúncios

1 Comentário so far
Deixe um comentário

Yeah Beti, valeu as ins e expirações.
Acabo de conectar a net depois de uma semana, eita q alívio. Sério gente, tô ficando com LER na mão esquerda…
Fico feliz em ter vc como parte dessa coisarada de vídeo. Boa!
Fico feliz que a partida foi dada, digo, já temos por onde caminhar nesta criação. Se é metrô, bus, yes, a coisa já tem um terreno por onde caminhar..
CAMERA NA MÃO: Acho q a Beti abriu uma questão importante pra se discutir. A partir de minha ótica (sem conhecimento desssa mídia) gosto da ideía de MADE BY US. Por duas questões da nossa realidade: a 1° (constante em minhas discussões) é a questão financeira. Sabendo q naum podemos fazer economia porca… Outra é q nós captando imagens, tem haver com conceito Couve-Flor: todo mundo se vira com tudo…uma equipe enxuta, q lida com administração, produação, criação e ainda interpretação. O que acredito eu, dá muito mais MOBILIDADE PRA TUDO. E o importante é podermos realizar as coisas dentro sda nossa realidade, gosto estético…
PONTES e TEMPO: sempre gosto de idéias ligadas á tempo! Mas vamos tentar encontrar algo que relacione as coisas. Eu por exemplo, já cronometri o tempo de botafogo ao flamengo de metrô e é menos que 2 minutos;;;;

COlcha de retalhooossssss!!

MAPAS CAMINHOS IMAGINÁRIOS.
é ISSO Beti.
Pensei tbm em me focar na estação onde fiz as fotos q mandei pra vcs. Que é a Estação CArioca. FAzendo sempre relações com esse ambiente que naum trás paisagens da cidade, mas trás o imaginário…

Vou pensar melhor nas questões de tempo que vc sugere!

vou nessa beijoooo
Michelle

Comentário por couveflor




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: